Com queda de juros, poupança deve render menos a partir de quinta

Tudo indica que o investimento preferido dos brasileiros vai passar a render menos. Se a previsão do mercado financeiro se confirmar, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vai reduzir a Selic, taxa básica de juros, para abaixo de 8,5% na reunião desta quarta-feira (6), o que muda o retorno da poupança.

Atualmente, a poupança rende 6,17% ao ano mais a Taxa Referencial, calculada pelo Banco Central. Nos últimos 12 meses, a poupança rendeu 7,62% —abaixo da Selic, atualmente em 9,25% ao ano.

No entanto, uma regra em vigor desde maio de 2012 prevê um corte nos rendimentos da poupança quando a Selic cai para abaixo de 8,5% ao ano, para depósitos feitos a partir dessa data. Nessa situação, o retorno da caderneta é limitado a um percentual de 70% da Selic ao ano, mais a Taxa Referencial.

O mercado prevê que o Copom vai cortar os juros em um ponto percentual, para 8,25%. Se isso acontecer, a nova regra passa a valer a partir desta quinta (7) e o retorno da poupança passa a ser de 70% de 8,25%, o equivalente a 5,77% mais a Taxa Referencial.

“Com a queda da Selic, a diferença de retorno entre outros investimentos e a poupança diminuiu, o que tornou a poupança relativamente mais atrativa. No entanto, com a mudança na regra, outras aplicações que rendem perto de 100% da Selic ainda pagam melhor”, explica o professor de economia Michael Viriato, coordenador do laboratório de finanças do Insper.

Com queda da Selic ainda mais acentuada esperada pelo mercado até o final do ano, o rendimento da poupança deve cair ainda mais. “Isso significa que ainda é interessante buscar outras aplicações igualmente seguras, com liquidez diária, que oferecem rendimentos maiores”, orienta o professor de economia Fabio Rhein, do Ibmec do Rio de Janeiro.

Para isso, cabe ao investidor fazer as contas antes de investir e comparar os ganhos. Por ser isenta de Imposto de Renda, a poupança pode ser mais atrativa do que CDBs que pagam menos de 80% do CDI e fundos de renda fixa que cobram taxa de administração acima de 1%, segundo o professor de economia Joelson Sampaio, da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas.

É importante lembrar, porém, que a remuneração da poupança é mensal —ou seja, se você aplicar hoje, só irá receber retorno daqui 30 dias. Caso o resgate do dinheiro seja feito antes desse período, não terá ganho algum.

A melhor forma de comparar os investimentos é buscando alternativas de investimento em corretoras independentes, fora dos grandes bancos, que podem oferecer produtos mais atrativos. Além disso, títulos do Tesouro Direto indexados à Selic seguem como uma boa opção para ter retornos maiores que a poupança.

Mas é essencial que você escolha a aplicação de acordo com o seu objetivo, não pela rentabilidade, já que a rentabilidade passada não garante retorno futuro. Para isso, tenha certeza de quanto dinheiro você tem disponível para investimento, qual o prazo que você pretende deixar o recurso aplicado e o que você pretende fazer com ele. Se precisar, procure a ajuda de um especialista (veja como identificar se você precisa da ajuda de um consultor financeiro).

 

MSN Notícias - SP
Data de publicação: 06/09/2017

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede