• Sobre o Curso

    Sobre o curso

    • A área de Concentração em Investimentos é o segmento da Economia voltado para preparar expert em Finanças e Investimento. Nesse sentido, o programa será orientado para a capacitação de profissionais no âmbito da alocação de ativos financeiros.

       

  • ESTRUTURA

    • Além das disciplinas da área de concentração Investimentos, o aluno poderá aprofundar seus conhecimentos nos Cursos de Aperfeiçoamentos do Programa de Pós-Graduação em Finanças e Economia - Master, com cursos de curta duração, de oferta livre, formato "live", voltados para a atualização e reforço de conteúdos.

      Cursos com carga horária de 15h-aula cada, e sua liberação pode variar conforme necessidade do tema. Sua abertura está condicionada a quantidade mínima de alunos, pré-estabelecido pela coordenação. Serão oferecidos mediados por tecnologia, no decorrer do semestre letivo.

       

    • Disciplina

      Semestre

      Carga Horária

      Matemática Aplicada à Negócios

      Este curso busca capacitar os alunos com o ferramental matemático necessário nas tomadas de decisões e resolução de problemas de ambientes negociais dos mais diversos através de modelos e técnicas matemáticas. Além disso, os alunos serão capacitados para usarem boas práticas de apresentação de dados, construção de gráficos e a usarem o Excel na solução de seus problemas. O curso deverá homogeneizar os conhecimentos de cunho quantitativo que serão essenciais para o desenvolvimento do curso no seu currículo obrigatório.

      * Disciplinas passiveis de substituição, mediante a análise e liberação da coordenação, sendo realizada por mediação de tecnologia.

      -

      15 horas

      Matemática Financeira

      Regimes de Capitalização; Juros Simples; Desconto Simples; Juros Compostos; Equivalência de Capitais; Sequência de Capitais; Sistemas de Amortização. Apresentar os principais elementos aplicados de matemática financeira. Nesse contexto, a estrutura do curso é focada no desenvolvimento dos diferentes regimes de capitalização existentes e as principais operações financeiras a eles associados. As aplicações são voltadas às operações realizadas no mercado brasileiro. Espera-se que ao final do curso o aluno tenha familiaridade com as principais operações financeiras e com produtos financeiros brasileiros.

      * Disciplinas passiveis de substituição, mediante a análise e liberação da coordenação, sendo realizada por mediação de tecnologia.

      -

      15 horas

      Contabilidade

      Balanço Patrimonial; Demonstração do Resultado do Exercício; Demonstração dos Fluxos de Caixa. Fundamentos da análise das demonstrações contábeis de empresas não financeiras. Decisões de investimento e de financiamento. Principais indicadores de rentabilidade e retorno. Compreender os aspectos conceituais básicos da contabilidade societária, desde o registro dos eventos econômicos até a apuração do resultado das operações de uma entidade não financeira e respectivos reflexos em seu patrimônio. Identificar e avaliar as decisões de financiamento e investimento, considerando o binômio risco-retorno. Analisar e avaliar o desempenho e a situação econômico-financeira de uma entidade, comparando-a entre diversos períodos e estabelecendo inferências futuras, bem como comparando-a com outras empresas ou setores. Emitir opinião acerca do desempenho global da entidade, orientando o processo decisório de usuários (stakeholders) diversos.

      * Disciplinas passiveis de substituição, mediante a análise e liberação da coordenação, sendo realizada por mediação de tecnologia.

      -

      15 horas

      Estatística

      Histogramas, Medidas de Tendência Central, Medidas de Dispersão, Escores-Z, Box-Plot, Gráficos de Dispersão Medidas de Relação. A proposta da disciplina é promover uma abordagem ampla dos principais conceitos associados à Estatística Descritiva utilizando o R com o propósito de prover aos alunos as ferramentas estatísticas básicas necessárias para a tomada de decisão baseada em análises empíricas com dados observáveis.

      * Disciplinas passiveis de substituição, mediante a análise e liberação da coordenação, sendo realizada por mediação de tecnologia.

      -

      15 horas

      Disciplina

      Semestre

      Carga Horária

      Métodos Estatísticos Aplicados

      Teoria da Probabilidade, Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade, Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuições de Probabilidade, Estimação, Testes de Hipótese. A proposta da disciplina é promover uma abordagem ampla dos principais conceitos associados à probabilidade e testes de hipóteses. O propósito dessa disciplina é prover aos alunos as ferramentas probabilísticas necessárias para a tomada de decisão baseada em análises empíricas com dados observáveis utilizando o R.

      -

      30 horas

      Microeconomia Aplicada

      A disciplina de Microeconomia tem como objetivo estudar o Sistema de Preços de Mercado; os fatores que levam ao seu funcionamento eficiente, as falhas que podem surgir e as diferentes maneiras de corrigir estas falhas. O Sistema de Preços de Mercado é, na verdade, um dentre vários Mecanismos de Coordenação Voluntária e decentralizada entre agentes econômicos que buscam satisfazer seus próprios interesses. Neste sentido, ele pode ser definido como um sistema de “ordens sem um comando centralizado”. Além do mais, o Sistema de Preços de Mercado é também um Mecanismo de Processamento de Informações, que sinalizam o que deve ser produzido, consumido e em qual quantidade. Estudar o funcionamento destes dois mecanismos do Sistema de Preços de Mercado – a coordenação voluntária e o processamento das informações – é também um objetivo desta disciplina.

      -

      30 horas

      Macroeconomia Aplicada

      A disciplina visa apresentar os principais elementos da teoria macroeconômica, discutindo os conceitos fundamentais e as aplicações para a economia brasileira e mundial.

      -

      30 horas

      Disciplina

      Semestre

      Carga Horária

      Investimentos

      O objetivo da disciplina é apresentar, discutir, e aplicar os principais conceitos e elementos associados a investimentos e à gestão de carteiras. Por meio de fundamentação teórica e empírica, busca-se avaliar a gestão de investimentos de forma isolada ou em carteira, além da gestão de riscos associados a esses instrumentos financeiros. Por fim, mas (definitivamente) não menos importante, procura-se associar os temas analisados ao longo do curso sob o prisma da pandemia de COVID-19, que trouxe aprendizados substanciais sobre os comovimentos entre ativos financeiros.

      -

      30 horas

      Derivativos

      O curso objetiva apresentar conceitos básicos relacionados a instrumentos derivativos e à sua utilização como instrumentos de gerenciamento de risco. O caráter introdutório, porém, abrangente do curso, reflete-se na extensão dos tópicos que serão cobertos. A disciplina provê ferramental e conceitos para que os alunos entendam o papel e a importância dos instrumentos derivativos na gestão e controle de riscos financeiros. Exemplos práticos e atuais suportam estes objetivos e ilustram os conceitos apresentados em aula.

      -

      30 horas

      Gestão de Renda Variável

      Curso complementa formação dos participantes em termos do conhecimento sobre gestão de renda variável. São abordados os principais modelos teóricos de renda variável com derivação de teóricas e análise dos resultados empíricos com dados brasileiros e dos Estados Unidos. A disciplina capacita o participante a montar carteira de renda variável, aplicar principais modelos de precificação e analisar desempenho de carteira de ações ajustadas por risco.

      -

      30 horas

      Gestão de Renda Fixa

      Conceitos básicos de gestão de Renda fixa e derivativos associados a instrumentos de Renda Fixa. A disciplina tem por objetivo apresentar os conceitos básicos associados à gestão de carteiras de títulos de renda fixa.

      -

      30 horas

      Disciplina

      Semestre

      Carga Horária

      Gestão de Riscos

      O objetivo dessa disciplina é trazer informações necessárias para a gestão de riscos financeiros no ambiente organizacional, ou seja, tratar casos e mini casos direcionando discussões sobre alternativas de hedge para preços, taxa de câmbio e taxa de juros. Discutir ferramentas necessárias para que se estabeleça um processo de gerenciamento de riscos de mercado para empresas e de investimentos. Para tanto, serão apresentados conceitos relacionados a: a) investimentos em derivativos para fins de hedge de preços, taxas de câmbio e taxa de juros; b) principais estratégias de hedge nos mercados; c) principais técnicas e métricas de controle; d) conceito de administração integrada de riscos e análise de riscos de um portfólio.

      -

      30 horas

      Econometria Aplicada

      Apresentar os alunos o ferramental básico de Econometria dando uma introdução a tópicos de regressão, painel e séries de tempo. O objetivo do programa é apresentar aos alunos técnicas importantes de estatística ressaltando como as mesmas podem ser aplicadas à análise de problemas específicos em Negócios.

      -

      30 horas

      Finanças Comportamentais

      Durante um longo período (de 1950 a 1990), a pesquisa em Economia Financeira baseou-se nas hipóteses de que (i) investidores têm crenças racionais (possuem informações perfeitas e usam a Regra de Bayes), (ii) otimizam a Utilidade Esperada e (iii) não há limites para arbitragem ou quaisquer outras fricções de mercado (por exemplo, custos para obter informações). Em conjunto, essas três hipóteses podem ser chamadas de “paradigma tradicional”. O paradigma tradicional foi muito útil: permitiu que os pesquisadores desenvolvessem intuição lógica, elegante e simples sobre muitas questões complexas relacionadas ao comportamento dos preços dos ativos e ao comportamento dos investidores. No entanto, no início dos anos 90, pesquisas empíricas começaram a mostrar que o paradigma tradicional não era capaz de explicar muitos fatos empíricos relevantes. Esses resultados levaram os pesquisadores a estudar como as hipóteses do paradigma tradicional poderiam ser modificadas de uma maneira cientificamente sólida. Esse esforço (ainda em curso e muito desafiador) é chamado de Finanças Comportamentais -ou, mais geralmente, quando se lida com decisões que não estão diretamente relacionadas com finanças, Economia Comportamental. Em suma, a área de Finanças Comportamentais estuda se os investidores (a) têm preferências mais complicadas do que as normalmente apresentadas nos manuais Micro 1 e / ou otimizam objetos que são diferentes da Utilidade Esperada, (b) usam crenças que não são totalmente racionais e (c) têm limites cognitivos que consistentemente aparecem em suas decisões de investimento. Se (a) for verdadeiro, os modelos econômicos provavelmente devem ser adaptados sempre que necessário; neste caso, Finanças Comportamentais podem ter um papel “positivo” relevante (note que (a) não é sobre o investidor ser “irracional”, mas simplesmente sobre ele ter uma função objetivo diferente daquela normalmente assumida no paradigma tradicional). Se (b) e (c) forem verdadeiras, os investidores podem exibir comportamentos prejudiciais no mercado financeiro e perder consistentemente muito dinheiro (aqui estamos falando de “irracionalidade”); além disso, se ainda há limites à arbitragem, os preços dos ativos agregados podem ser significativamente afetados. Ambas as consequências de (b) e (c) indicam que o campo Finanças Comportamentais também pode ter um papel “normativo” relevante. É importante enfatizar que Finanças Comportamentais continua a empregar métodos econômicos tradicionais. Como enfatizado por Matthew Rabin, “[...] this research is not an alternative to the economic research program into which we were all socialized in graduate school, but the natural continuation of this research program.” Com isso em mente, estudaremos os fatos empíricos que desafiam o paradigma tradicional, quais sejam, (a) o consistente desempenho negativo dos investidores individuais no mercado acionário, (b) os repetidos erros cometidos pelos investidores (overconfidence, sensation seeking, local bias, familiarity, lottery-like stocks, nominal price illusion, cursed beliefs, salience, e o disposition effect), (c) os puzzles relacionados aos preços de ativos que podem ser consequência do comportamento “irracional” dos investidores (exemplos claros de precificação equivocada, excesso de volatilidade e previsibilidade deretornos) e (d) os possíveis limites à arbitragem que permitem que os preços dos ativos sejam afetados durante períodos significativos pelo comportamento de investidores “irracionais”. Além disso, discutiremos como o campo das Finanças Comportamentais vem tentando modelar e lidar com esses fatos.

      -

      30 horas

Participe do encontro com a coordenação

Receba as notícias da FGV EESP

A A A
Alto contraste

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.