BRF: nenhum país tomou tanto cuidado contra covid nos frigoríficos quanto o nosso

O presidente da BRF, Lorival Luz, disse que desconhece outro país que tenha tomado tantas medidas de controle à covid-19 em suas indústrias de carne. “Na BRF, por exemplo, testamos mais de 50 mil pessoas e instalamos 10 mil metros de estruturas de acrílico para proteção de funcionários”, contou em “live” com o coordenador do FGV Agro, Roberto Rodrigues, que foi realizada na noite desta quarta-feira.

Luz reclamou dos constantes relatos relacionados ao número de funcionários de frigoríficos contaminados pelo vírus. Recentemente, a procuradora Priscila Dibi Schvarcz, gerente nacional adjunta do Projeto (do Ministério Público do Trabalho) de Adequação das Condições de Trabalho nos Frigoríficos informou que do início da pandemia até o dia 12 de julho haviam sido contabilizados 11.499 infectados em frigoríficos na Região Sul do Brasil: 6.202 no RS, 3.132 em SC e mais 2.165 no PR.

Luz, disse também que o Brasil precisa “cuidar melhor da imagem e de sua reputação” relacionadas ao modelo de produção de proteína animal. Segundo ele, as constantes denúncias de irregularidades na produção, principalmente no que diz respeito a atividades em área de desmatamento ilegal, mais atrapalham do que ajudam: “A toda hora temos de ficar dando explicações”, disse o executivo.

Luz admitiu que ocorrem erros, frutos “de meia dúzia de bandidos que fazem o desmatamento errado”. Mas ressalta que há muito mais a ser mostrado e questionou o conhecimento externo sobre o Brasil. “Lá fora o pessoal imagina que eu crio frango na Amazônia e que tenho de derrubar árvores para abater aves”, reclama. Ao fim da conversa, ele sugeriu a criação de um plano internacional de comunicação, reputação e de relações diplomáticas, envolvendo todos os setores interessados.

O desabafo do presidente da BRF acontece quase uma semana depois da divulgação de um estudo da revista Science que, dentre outras coisas, demonstra que pelo menos 17% da carne produzida nos biomas Cerrado e Amazônia e exportadas para a União Europeia está “potencialmente contaminada” com o desmatamento ilegal.

 

Inscreva-se para o curso de Mestrado Profissional em Agronegócio da FGV EESP.

Fonte: 
IstoÉ Dinheiro Online
Data da publicação: 
23/07/2020
Compartilhe
Veja a lista completa de notícias

Receba as notícias da FGV EESP